Evangelho de Mateus: manipulação, subjetivismo, equívoco, ou Jesus é realmente o Messias?

Escrito por PEDRO IVO

Jesus é considerado o principal personagem do Novo Testamento (NT), e até hoje é motivo de muitas controvérsias. Suas idéias e filosofias foram escritas por seus discípulos ou por terceiros.

Os manuscritos bíblicos mais antigos datam dos séculos III e IV d.C. Tais manuscritos são o resultado do trabalho de copistas, às vezes analfabetos que, durante séculos, foram transmitindo cópias dos textos às gerações seguintes. São textos sujeitos a erros e modificações, involuntários ou voluntários, que suscitam diversas leituras e interpretações dum mesmo texto e levantam muitas questões e dúvidas sobre a vida de Jesus e seus ensinamentos.

Somente após os primeiros séculos os textos passaram a ser copiados por mais capacitados escribas. De fato, há mais erros de transcrição do que há palavras no NT.

Em suma, era Jesus realmente o tão esperado Messias do Velho Testamento (VT)? Sabe-se que Mateus não o considerava o Messias até após a sua morte; e o seu evangelho só foi escrito aproximadamente 20 anos após o fato. Apesar de fortes oposições, é tradicionalmente aceito que Mateus foi o 1° evangelho escrito e usado como fonte – inclusive por Lucas e Marcos. Os evangelhos de Lucas e Marcos levam à conclusão de que Mateus forçou profecias do VT a respeito de Jesus, já que muitas analogias e referências foram rejeitadas ou até mesmo alteradas por eles.

Ė Mateus uma fonte confiável quando se trata de profecias messiânicas? Em Lucas já vemos um grande problema com a genealogia de Jesus: apenas 9 dos 42 nomes em Mateus são equivalentes. E mais, a simetria de 14 gerações de Abraão a Davi, 14 de Davi ao exílio, e 14 do exílio a Jesus (Mt 1:17), encontrada por Mateus, não existe em Lucas Um problema embaraçoso para um Cristo descendente de ícones do VT como o Rei Davi e Abraão.

Em Mateus, o 1° evangelho e 1° livro do NT, Jesus é mencionado 182 vezes em seus 28 capítulos. Destes, 103 fazem alusão ao VT. Aqui, vou me ater às passagens que aludem à vinda do Messias no VT mencionadas claramente por Mateus.

1- Is 7:14

Em Mt 1, Mateus faz alusão ao nascimento de Jesus, uma profecia do livro de Isaías sobre o Messias:

Eis que a virgem conceberá e dará a luz a um filho, e ele será chamado pelo nome de Emanuel. Mt 1:23

Esta passagem escrita em Is 7:14 refere-se, na verdade, ao rei Ezequias. No capítulo 7 de Isaías, Acaz, rei de Judá, prefere aliar-se aos Assírios a depender de Deus para defender seu reinado (Is 7:12, 2 Rs 16:5-9). Isaías, prevendo a queda de Judá, profetiza sobre o futuro rei Ezequias. No período da profecia (735-715 A.C.), Abi, a mãe do futuro rei (2 Cr. 29:1), era jovem e ainda virgem:

Ele comerá manteiga e mel quando souber desprezar o mal e escolher o bem. Na verdade, antes que este menino saiba desprezar o mal e escolher o bem, será desamparada a terra ante cujos dois reis tu tremes de medo. Is 7:15,16

Assim como em Is 7:14, os versículos 15 e 16 se referem à criança Ezequias. Os dois reis mencionados são os reis Rezin da Síria, e Peca, rei de Israel, que levantam-se contra Judá. Ambos os reis foram assassinados no ano de 732 A.C., quando Ezequias tinha apenas 7 anos de idade. Os versículos seguintes (Is 7:17-25) referem-se à queda de Damasco, Síria, e Samaria, capital de Israel, que caiu no ano 722 A.C.

Durante o seu reinado (716/715-687 A.C.), Ezequias sucedeu a seu pai e iniciou uma reforma religiosa em Israel, reparando e purificando o templo. Ele também reintegrou os sacerdotes e levitas ao seu ministério, e restaurou a celebração da Páscoa (2 Cr.29:3 e 30:5). Além disso, Ezequias combateu a idolatria em Judá proibindo o culto aos deuses pagãos, e destruiu a serpente de bronze construída na época de Moisés, idolatrada pelo povo (2 Rs. 21: 3 e 18:4). Daí a idéia de um Salvador para remover os pecados de seu pai Acaz, e de Israel.

2- Mq 5:2

Mateus associa Mq 5:2 ao fato de Jesus ter vindo de Belém àquele que guiará o povo de Israel:

E tu, Belém, terra de Judá, não és de modo algum a menor entre as principais de Judá; porque de ti sairá o Guia que há de apascentar a meu povo Israel. Mt 2:6

Em Miquéias, no Texto Massorético (MT), escrito em hebraico antigo, com tradução fiel da pronúncia tradicional do texto, sem vogais, e utilizado como base em várias traduções protestantes do VT, lê-se:

E tu, Belém-Efrata, pequena demais para figurar como grupo de milhares de Judá; de ti me sairá o que há de reinar em Israel, e cujas origens são desde os tempos antigos, desde os dias da eternidade. Portanto, o Senhor os entregará até ao tempo em que a que está em dores tiver dado a luz; então o restante de seus irmãos voltará aos filhos de Israel. Mq 5:2

Miquéias foi um profeta do reino do Norte, e assim como Isaías, profetizou durante os reinados de Acaz e Ezequias (Jr 26:17, 18). Pregou fortemente durante o poderio militar Assírio e contra a desobediência do povo. Independentemente do capítulo 5 ter sido escrito pelo próprio Miquéias ou não, ele se refere aos Assírios e a sua própria época, como pode ser visto nos versículos 4 e 5 do mesmo capítulo:

E ele permanecerá e apascentará com a força do Senhor, na excelência do nome do Senhor seu Deus; e eles permanecerão, porque ele será engrandecido até os fins da terra. E este será nossa paz quando a Assíria vier a nossa terra: e quando ela passar sobre os nossos palácios, levantaremos contra ela sete pastores e oito príncipes dentre os homens. Estes consumirão a terra da Assíria a espada. Mq 5:4-6a

O versículo 1 trata de um Messias que reinará em Israel, e não que a guiará. Além disso, João (Jo 1:46) e Marcos descrevem Jesus como Nazareno. E Mateus e Lucas, apesar de concordarem que Jesus nasceu em Belém, dão diferentes relatos sobre seu nascimento. O maior ponto de discórdia são os homens sábios que visitam Jesus. Segundo Mt 2:7-9, estes são enviados por Herodes. E após a revelação dos pensamentos malignos de Herodes em sonho (Mt 2:12), retornam ao seu lar por outro caminho. Em Lucas, os homens sábios são apenas pastores que trabalhavam próximo de onde Jesus nasceu (Lc 2:8). Em nenhum momento o nome de Herodes é mencionado; e somente em Mateus o genocídio é relatado.

3- Os 11:1

Em Mt 2:15, Mateus relata a perseguição de Herodes como outra profecia cumprida sobre o Messias:

E, levantando-se ele, tomou o menino e sua mãe, de noite, e foi para o Egito. E esteve lá, até à morte de Herodes, para que se cumprisse o que foi dito da parte do Senhor pelo profeta, que diz: Do Egito chamei o meu Filho. Mt 2:14,15

O final da passagem refere-se a Os 11:1. Entretanto, Oséias estava falando de Moisés, responsável pelo êxodo do Egito, os Dez Mandamentos e reenforçador da Lei.

Quando Israel era menino, eu o amei; e do Egito chamei o meu filho. Quanto mais eu os chamava, tanto mais se iam da minha presença; sacrificavam a Baal (Nm 24:3) e queimavam incenso as imagens de esculturas (Ex 32:8). Os 11:1,2

4- Jr 31:15

Em 2:18, Mateus relata o genocídio de Herodes como mais uma profecia cumprida:

Então se cumpriu o que foi dito pelo profeta Jeremias, que diz: Em Ramá se ouviu uma voz, lamentação, choro e grande pranto: Raquel chorando os seus filhos. E não querendo ser consolada, porque já não existem. Mt 2:16,17

Porém, Jr 31:15 relata o cativeiro da Babilônica, quando Judá, constituída pelas tribos de Judá e Benjamim, filho de Raquel, foi levada cativa. Supostamente foram levados a Babilônica pela cidade de Ramá, passando pelo local onde Raquel foi enterrada (Gn 35:19).

O versículo seguinte, dando continuidade ao enredo de Jeremias, trata do retorno dos cativos que nunca aconteceu:

 Assim diz o Senhor: Reprime a voz de choro, e as lágrimas de teus olhos, porque há galardão para o teu trabalho, diz o Senhor; pois eles voltarão da terra do inimigo. Jr 31:16

 5- Is 40:3

No capítulo 3 de Mateus, João Batista é relatado como o mensageiro que vem antes do Messias:

Porque este é o anunciado pelo profeta Isaías, que disse: Voz do que clama no deserto: Preparai o caminho do Senhor, Endireitai as suas veredas. Mt 3:3

Este versículo refere-se a Is 40:3. Nele, no texto MT, a palavra “deserto” não existe. Removendo a palavra-chave deserto, o versículo perde qualquer conexão com Jesus:

Voz do que clama: Preparai o caminho do Senhor, Endireitai no ermo vereda a nosso Deus. Is 40:3

Na verdade, os capítulos 40 a 66 de Isaías foram escritos após a sua morte, e contém diversas profecias apocalípticas. Estes capítulos foram escritos aproximadamente entre os anos 566-539 A.C., por alguém que estava exilado na Babilônia. Especificamente, o profeta refere-se ao retorno dos exilados da Babilônia para Jerusalém, e como Deus facilita o retorno dos cativos:

Falai ao coração de Jerusalém, bradai-lhe que já é findo o tempo da sua malícia, que sua iniquidade está perdoada e que já recebeu em dobro das mãos do Senhor por todos os seus pecados. Todo vale será aterrado, e nivelados, todos os montes e outeiros; o que é tortuoso será retificado, e os lugares escabrosos aplanados. Como pastor apascentará o seu rebanho; entre os seus braços recolherá os cordeirinhos e os levará no seio; as que amamentam ele guiará mansamente. Is 40:2, 4-11

6- Is 53:4

Em Mt 8:17, Mateus associa as curas milagrosas de Jesus as profecias messiânicas de Isaías:

Ele mesmo tomou as nossa enfermidades e carregou com as nossas doenças. Mt 8:17

Este versículo refere-se a Is 53:4, um dos capítulos sobre profecias messiânicas mais conhecidos do VT. Quando lido no hebraico, vemos que diversos versículos deste capítulo foram transcritos e traduzidos para melhor acomodar a história de Jesus. Por exemplo, o versículo 5 que relata a história da cruz usando a palavra traspassado é apenas o verbo selecionado pelo escriba para adequar com mais clareza a passagem a Jesus:

Mas ele foi traspassado pelas nossas transgressões e moído pelas nossas iniquidades. Is 53:5

No MT, este versículo escreve

Mas ele foi violado pelas nossas transgressões e moído pelas nossas iniquidades. Is 53:5

perdendo qualquer conexão exata com a crucificação de Jesus. O mesmo ocorre no versículo 9. Na Bíblia lemos:

Designaram-lhe a sepultura com os perversos, mas com o rico esteve na morte. Is 53:9

Este versículo comprova a profecia de José de Arimatéia, que doa sua sepultura a Jesus. No MT, lemos

Designou sua sepultura com os perversos e com os ricos. Is 53:9

perdendo qualquer correlação direta com Jesus. A associação da passagem a Jesus é visível após as modificações feitas por tradutores e escribas eliminando qualquer dúvida.

O cânone da Igreja Católica, fixado através do Concílio de Trento (1545-1563), utiliza para o VT a versão conhecida como Septuaginta, utilizada pela Igreja Católica Romana a partir do ano 400 D.C., que é a tradução do VT para o idioma grego, patrocinada pelo faraó Ptolomeu II do Egito.

A Septuaginta inclui material que não foi incluído na Bíblia Hebraica, de fontes diferentes e divergentes, inclusive material original já escrito em grego, o que explica as falhas de traduçāo. Na versão protestante, os defensores da reforma protestante utilizaram o texto MT e excluíram do cânone todos os livros ou fragmentos que não correspondiam ao texto hebraico, como Judite, Tobias, Sabedoria, Eclesiástico, Baruque, 1° Macabeus e 2° Macabeus, os capítulos 13 e 14 e os versículos 24 a 90 do capítulo 3 de Daniel, além dos capítulos 11 a 16 de Ester.

No entanto, versões famosas em português, como a de João Ferreira de Almeida, publicadas pela primeira vez no final do século XVII, não são de todo confiáveis. Alguns historiadores afirmam que as relações entre Almeida e os revisores da tradução foram tensas, especialmente devido a diferenças de opinião sobre o significado de algumas palavras e sobre o estilo do português usado.

7- Ml 3:1

No próximo versículo profético em Mt 11:10, o próprio Jesus associa João Batista como o mensageiro do Senhor:

Eis aí eu envio diante da tua face o meu mensageiro, o qual prepara o teu caminho diante de ti. Mt 11:10

Essa passagem refere-se a Ml 3:1:

Eis que eu envio o meu mensageiro, que prepara o caminho diante de mim, de repente, virá ao seu templo o Senhor, a quem vos buscais, o Anjo da Aliança, a quem vos desejais; eis que ele vem, diz o Senhor dos Exércitos. Ml 3:1

 Se lermos o capítulo até o final, vemos que na verdade o prometido mensageiro a quem Malaquias se refere é Elias (Ml 3:23), que foi arrebatado (2 Re 2-11). Os últimos 6 versículos de Malaquias 3, que tratam sobre Elias, foram transformados em Ml 4:1-6. Mas recolocando-os em Ml 3, não há dúvidas (Ml 4:5) de que o capítulo relata o regresso de Elias.

8- Is 6:9 e Sl 78:2

Em Mt 13:14,15 e 35 Mateus vê o cumprimento de outra profecia, quando Jesus é questionado pelos discípulos por confundir a multidão ao falar em parábolas:

Ouvireis com os ouvidos e de nenhum modo entendereis; vereis com os olhos e de nenhum modo percebereis. Porque o coração deste povo está endurecido, de mau grado ouviram com os ouvidos e fecharam com os olhos; para não suceder que vejam com os olhos, ouçam com os ouvidos, entendam com o coração, se convertam e sejam por mim curados. Mt 13:14,15

Abrirei em parábolas a minha boca; publicarei cousas ocultas desde a criação. Mt 13:35

A primeira passagem refere-se a Is 6:9. Neste versículo, Deus está falando com o próprio Isaías. Nesta época, devido ao reino de Uzias, (783-742 A.C.) Israel se afastou dos caminhos do Senhor. Por sua iniquidade, as suas cidades foram desoladas (Is 6:12). Isaías está prevendo o exílio da Babilônia e as diversas cidades que foram destruídas.

A segunda passagem refere-se a Sl 78:2, que trata claramente sobre o rei Ezequias e a invasão de Senaqueribe, rei da Assíria, e a deslealdade do reino do norte de Israel durante o seu reinado (Sl 78:9-11). Inclusive foi escrito por Asafe, o cronista, durante o reinado de Ezequias em 715 A.C.

9- Zc 9:9

Mt 21:4 trata da entrada triunfal de Jesus em Jersusalém em um jumento:

Ora, isto aconteceu para se cumprir o que foi dito por intermédio do profeta: Dizei a filha de Sião: Eis aí te vem o teu Rei, humilde, montado em um jumento, num jumentinho, cria de animal de carga. Mt 21:4

Neste versículo, Mateus se refere a Zc 9:9. No versículo 10, o Rei, além de anunciar paz às nações, algo que Jesus fez, demarca o seu reinado de mar a mar, desde o Eufrates até as extremidades da terra (Zc 9:10). Jesus não foi rei. O grande problema dos judeus com Jesus nas diversas profecias do messias do VT está no fato de o Messias ser também rei. Em contraste, cristãos aceitam a Jesus interpretando a profecia sobre o reinado com sendo o reino dos Céus. Seja como for, Jesus era um profundo conhecedor do VT (Jo 10:35, Mt 15:3, Mt 15:6, Mt 5:18, Mt 22:31,Mt 21:16, Mt 12:3, Lc 17:29, 32, Lc 11:51, Ma 12:26, Jo 6:31–51) e conhecia a passagem de Zc 9:9. Judeus alegam que a situação de Mt 21:4 foi forçada por Jesus em Mt 21:2, que claramente envia dois discípulos para procurar um jumento:

Enviou Jesus dois discípulos, dizendo-lhes: Ide a aldeia que aí esta diante de vós e logo achareis presa uma jumenta e, com ela, um jumentinho. Desprendei-a e trazei-mos. Mt 21:1,2

 10- Is 50:6

A próxima passagem refere-se a Jesus no Sinédrio. Apesar de nem Mateus, Marcos ou João fazerem qualquer associação dessa passagem a versículos do VT, muitos cristãos veem o cumprimento de Is 50:6 no versículo 67 de Mateus 26:

Então, uns cuspiram-lhe no rosto e lhe davam murros, e outros os esbofeteavam. Mt 26:67

Em Is 50:6, o profeta está falando de si mesmo e de Israel, como pode ser visto no primeiro versículo do mesmo capítulo:

Onde esta a carta de divórcio de vossa mãe, pela qual eu a repudiei? Ou quem é o meu credor, a quem eu vos tenho vendido? Eis que por causa das vossas iniquidades é que fostes vendidos, e por causa das vossas transgressões vossa mãe foi repudiada. Is 50:1

O profeta relata a situação de Israel, que se sente abandonada perante a Assíria. A segunda metade fala da concessão de Deus com Israel, já que não viu carta de divórcio com a nação. No versículo 4 entendemos como esta passagem poderia ser erroneamente associada a Jesus:

O Senhor Deus me deu língua de eruditos, para que eu saiba dizer boa palavra ao cansado, uma palavra que os desperte. Is 50:4

11- Zc 11:13

Mateus associa o suicídio de Judas e a sua recompensa de 30 moedas de prata com o cumprimento de outra profecia em Jeremias:

Então se cumpriu o que foi dito por intermédio do profeta Jeremias: Tomaram as trinta moedas de prata, preço em que foi estimado aquele a quem alguns dos filhos de Israel avaliaram. Mt 27:9

Mateus se equivoca ao associá-la a Jeremias. Je 32:6-9 fala do primo de Jeremias, Hananeel. A passagem trata de 17 siclos, uma quantia não equivalente a 30 moedas de prata. Isso mostra que Mateus não é necessariamente uma fonte confiável. A passagem de Mateus 27:9 se refere na verdade a Zc 11:13:

Arroja isso ao oleiro, esse magnífico preço em que fui avaliado por eles. Tomai as trinta moedas de prata e as arrojei ao oleiro, na Casa do Senhor. Zc 11:13

O capítulo 11 trata do pastor que dá cabo dos três pastores que estão matando todas as ovelhas. Este novo pastor recebe 30 moedas de prata como pagamento. No versículo 14, o mesmo rompe a irmandade entre Judá e Israel. Ambas ações não foram atos de Jesus. A única semelhança, o valor de 30 moedas de prata, não trata de nenhuma intervenção divina, mas sim do valor de um escravo machucado (Ex 21:32). Judas recebeu 30 moedas por ter vendido Jesus como escravo.

12- Sl 22 e 31

Os últimos 3 versículos sobre o Messias profetizam três acontecimentos sobre a crucificação: os soldados apostarem as vestes de Jesus (Mt 27:35); os sacerdotes ridicularizando e atentando Jesus a sair da cruz (Mt 27:42, 43); e o clamor de Jesus antes de sua morte (Mt 27:46). Todas as três passagens aludem a Sl 22:

Cães me cercam; uma súcia de malfeitores me rodeia; traspassaram-me as mãos e os pés. Posso contar todos os meus ossos; eles me estão olhando e encarando em mim. Repartem entre si as minhas vestes e sobre a minha túnica deitam sortes. Sl 22:16, 17

Esta passagem no hebraico lê-se bem diferente:

Cães me cercam; malfeitores me rodeiam; Como o leão minhas mãos e minhas pernas. Posso contar todos os meus ossos; eles me estão olhando e encarando em mim. Sl 22:16

No MT, a referência “traspassaram” do versículo 16 não existe. Quando lida no hebraico, associá-la a uma profecia messiânica torna-se uma decisão subjetiva.

Com relação ao clamor de Jesus relatado por Mateus, o Salmo 22:1 foi escrito originalmente por Davi, muito perseguido em vida. Além disso, Lucas 23:46 cita Sl 31:5 como as últimas palavras de Jesus (Pai, nas tuas mãos te entrego meu espírito). João, único presente no momento de sua morte, relata, em Jo 19:30, Jesus dizendo “Está consumado”. Essa dissonância é uma forte evidência que as últimas palavras de Jesus foram acrescentadas por escribas ao transcreverem a Bíblia.

 Todas as principais passagens referentes ao Messias no evangelho de Mateus são ou uma interpretação subjetiva do próprio Mateus, aberta à debate, ou manipulação por parte dos escribas, acrescentando ou alterando palavras e, às vezes, até versículos em capítulos, ou ainda alegações equivocadas.

Muito cuidado deve ser tomado ao se fazer referências de versículos do VT no NT. Todo o contexto de um capítulo deve ser levado em consideração. Além disso, versões baseadas no MT são mais confiáveis.

4 Respostas to “Evangelho de Mateus: manipulação, subjetivismo, equívoco, ou Jesus é realmente o Messias?”

  1. Lucas Says:

    Bom dia Tiago.

    Você poderia me falar uma pouco melhor sobre suas formações academicas?

    Você sabe quem foi Adolf Hitler e sobre sua história?

    Provavelmente acho que não muito, em outro poste seu você mencionou que era melhor instruir nossos filhos sobre livros da vida de Adolf Hitler, do que a bíblia, então tenha mais cuidade irmão, com as coisas que você escreve.
    Li alguns de seus posts, entanda você fala que lhe julgaram dentro das igrejas as quais você frequentou, sinto muito se talvez você não teve boas experiências, desde ja pesso desculpa por nossos irmãos.

    Infelizmente isso ocorreu durante muito tempo dentro do meio ebangélico, entretanto graças a Deus isto tem mudado, esta nova geração de cristãos que tem surgido aqui no Brasil não pensa muito desta forma.

    Não estou aqui para debater nada, nem entanda meu post de forma agrecisva, pois o chamado dos cristão não é esse, pois jesus não nos pediu para debatermos o envangélio, e sim anúnciarmos, irmãos então quem não junta espalha, e quem disse foi o próprio Jesus.

    Aos irmãos que leram este post por favor não debatam com o Tiago, pois como ja disse este não é o nosso chamado, infelizmente ele não tem o espirito santo com ele neste momento, por isso sua leitura e interpretação da palavra, são movidas por satanas, prestem bem atenção não estou que falando que satanas o pussiu nem que ele é satanico, pois assim como satanas tomou
    o coração de Pedro enquanto falava com Cristo, assim também satanos tinha conhecimento pleno da palavra, enquanto tentava Jesus, ao que nós podemos fazer por ele é orar, e que as pessoas próximas a ele o ajudem.

  2. Tiago Says:

    Vc diz que está aí uma nova geração de cristãos, e melhor que a anterior? Bem, vejamos sua mensagem: “pesso desculpa” (o correto é peço desculpa); “agrecisva” (o correto é agressiva); “anúnciarmos” (não tem acento!)…
    Bem, parece que vocês continuam analfabetos. E continua o medo de debater. E lá vem o papo de satanás de novo e blá blá blá. Desculpe, mas continua a mesma porcaria de sempre. Vá estudar, amigo. É o melhor que vc faz!

  3. Icaro Ricardo Says:

    Pedro Ivo como posso entrar em contato com você?

  4. Tiago Says:

    Caro Icaro, procure-o no facebook (“Pedro Odon”). Abs!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s


%d bloggers like this: